sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Envio esta carta porque nunca mais quero você na minha frente. E dessa vez falo sério. Nunca mais quero ouvir a sua voz, mesmo que seja se derramando em desculpas. Nunca mais quero ver a sua cara, nem que seja se debulhando em lágrimas arrependidas. Quero que você suma do meu contato, igual a um vírus ao qual já estou imune.
A verdade é que me enchi. De você, de nós, da nossa situação sem pé nem cabeça. Não tem sentido continuarmos dessa maneira. Eu, nessa constante agonia, o tempo todo imaginando como você vai estar. E você, numas horas doce, noutras me tratando como lixo. Não sou lixo. Tampouco quero a doçura dos culpados, artificial como aspartame.
Fico pensando como chegamos a esse ponto. Como nos permitimos deixar nosso amor acabar nesse estado, vendido e desconfiado. Não quero mais descobrir coisas sobre você, por piores ou melhores que possam ser. Não quero mais nada que exista no mundo por sua interferência. Não quero mais rastros de você no meu banheiro.
Assim, chega. Chega de brigas, de berros, de chutes nos móveis. Chega de climas, de choros, de silêncios abismais. Para quê, me diz? O que, afinal, eu ganho com isso? A companhia de uma pessoa amarga, que já nem quer mais estar ali, ao meu lado, mas em outro lugar? O tédio a dois - essa é a minha parte no negócio? Sinceramente, abro mão. Vou atrás de um outro jeito de viver a minha vida, já que em qualquer situação diferente estarei lucrando. Mas antes faço questão de te dizer três coisas.
Primeira: você não é tão interessante quanto pensa. Não mesmo. Tive bem mais decepções do que surpresas durante o tempo em que estivemos juntos.
Segunda: não vou sentir falta do teu corpo. Já tive melhores, posso ter novamente, provavelmente terei. Possivelmente ainda esta semana.
Terceira: fiquei com um certo nojo de você. Não sei por quê, mas sua lembrança, hoje, me dá asco. Quando eu quiser dar uma emagrecida, vou voltar a pensar em você por uns dias.


Bom, era isso. Espero que esta carta consiga levantar você do estado deplorável em que se encontra. Mentira. Não espero nenhum efeito desta carta, em você, porque, aí, veria-me torcendo pela sua morte. Por remorso. E como já disse, e repito, para deixar o mais claro possível, nunca mais quero saber de você.

Se, agora, isso ainda me causa alguma tristeza, tudo bem. Não se expurga um câncer sem matar células inocentes.

Adeus, graças a Deus.
P.S.: esta não é mais uma dessas cartas-desabafo.
P.S. do P.S.: esta é uma carta-desabafo-quase-música-de-Adriana-Calcanhoto” 


Adriana Calcanhoto

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

É, olhe para nós. Detesto o que nos tornamos, não que eu amasse o que éramos pois não amava, só sinto um pouco de falta. Falta de ter um alguém especial… Ou falta de ser especial para alguém. Falta, no sentido de carência, de ter quem se importe. Mas o orgulho fala mais alto sempre, não é? E quando se trata de saudade, ele até grita. E é por sentirmos esse tal de orgulho que nos cegamos ao ponto de acharmos que sem um ao outro estamos melhores, sabemos que não estamos, mas somos dois idiotas que insistem resistir a esse sentimento ainda existente e por sermos patéticos a esse ponto, merecemos não nos merecer.” 


(via awa-y)

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Eu ia te escrever qualquer dia, eu tinha — e tenho — um monte de coisas pra te dizer, aquelas coisas que a gente se cala quando está por perto porque acha que as vibrações do corpo bastam, ou por medo, não sei. Mas nenhum cara no mundo tem isso. Esse teu jeito que consegue me ganhar só com um olhar. Esse teu sorriso que me dá vontade de correr e abraçar o universo inteiro. É completamente abominante o fato de que eu sou sua, mesmo quando cada milímetro do meu corpo queira distância de qualquer coisa que tenha ligação a você. Eu te quero, te espero, te necessito. E eu sei também que já disse isso milhares de vezes isso. Me diz, o que diabos sua voz tem, que me faz querer cuidar até que não me reste mais forças? Eu sou uma eterna apaixonada pelo seu sorriso, pelo seu cheiro, pelos seus olhos. Você sabe tão bem quanto eu, que me amedronta o fato de gostar um pouco demais de nós dois. Mas, não posso negar, eu curto o modo como nossas mãos se encaixavam. O jeito como todo o resto fica pequeno e despercebido quando teus olhos me notam. Eu gostava de nós. Mais do que deveria. E eu odeio o jeito que chegou. A maneira como tomou tudo. Odeio tudo isso. A pior parte é que eu me sinto meio dividida, também. Por saber que lá no fundo eu gosto de você. Gosto mesmo não se importando nem um pouco comigo, mesmo não ligando. Porque é doído quando vai embora, e esse é o problema. O adeus, a ausência. Também tem a reciprocidade, claro. Eu não sinto como se ela existisse, ainda que eu a queira mais que tudo. Normalmente não costumamos ter aquilo que gostamos, isso é típico. Às vezes acontece o processo inverso: você gosta simplesmente pelo fato de não ser seu. E quando se torna, perde o encanto. Acho que esse não é o teu caso… Mas vai saber, né? Só que agora era totalmente delicada a situação. Agora eu mentia para mim mesma dizendo que estava tudo bem e que ele ia sumir, desaparecer e eu principalmente esqueceria-o. Cansei de ser iludida pelas pessoas, pela vida. Não faltavam razões pra você ir embora, não é? Entendo que sou tudo aquilo que você nunca buscou… Toda errada, menina que não aceita nada, e acima de tudo, orgulhosa. Sei que sinto “muita falta daquilo que faltava”. Faltava mais nós dois. Faltavam mais palavras… Eu acredito que talvez tenha sido um equívoco meu pensar que algum dia daríamos certo, sendo tão diferentes. Admito que você não foi o único que desistiu de mim na primeira oportunidade que teve. Mas o que eu posso fazer, a vida sempre pregando peças pra cima de mim. Mesmo ainda adorando ver teu rosto, mesmo depois de tudo aquilo não ter sobrado nada. Enfim, nem sei do que eu tô falando. Só queria que nossas diferenças pudessem nos aproximar. Mas eu sei que não vai ser assim, então deixa pra lá. Sabe, eu nunca imaginei que somente uma pessoa pudesse mudar tudo. Que um único sorriso pudesse transformar a minha maneira de pensar. E que um único olhar pudesse me derreter toda. Mas, apesar de tudo, não me arrependo. Não me arrependo de tê-lo conhecido. Tornei-me mais forte, determinada. Diferente de antes. Eu percebi que nós sempre encontramos alguém, em algum dia, de alguma maneira, que nos muda — para melhor ou para pior, depende. E eu encontrei. Eu te encontrei. Eu sorri, eu chorei. Eu sofri, eu fiquei insegura. O seu “suposto” aparecimento me machucou. Eu nunca imaginei que pudesse mudar assim, tão rapidamente… Mas agora, eu afirmo com toda a certeza: aquela garota se foi. —  (soon-you).

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

[…] eu te amei tanto, e não vou mentir não, eu ainda te amo demais, mas nunca mais será a mesma coisa.
Bem lá no fundo, tu sabes. Sabes que toda essa tristeza exageradamente comovente não passa de coisa da tua cabeça. Sabe que não há motivo para todas essas lágrimas e lamentações sem fundamento. Pode me chamar de insensível ou dizer que não tenho coração, mas eu sei exatamente o que se passa pela tua cabeça. Sei que, lá dentro, lá dentro mesmo, tu sofres meio que por opção. Não me entenda mal, não estou dizendo que és algum tipo de “masoquista” e goste de sofrer, mas se parar pra pensar e conseguir enxergar bem lá no fundo do teu subconsciente vai perceber o quão fácil é ultrapassar os obstáculos que a vida impõe no teu caminho, o quão fácil é achar a verdadeira chave que leva à felicidade. Não estou dizendo que tem que estar sempre esbanjando alegria e bom humor, até porque não existe ninguém que seja 100% feliz, é o tipo de coisa que não existe na vida real. Mas tu sabes do que estou falando. Sabes que é um tipo de auto tortura quando está triste e se tranca no quarto pra ouvir alguma música mais triste ainda. Ao contrário do que pensas, não estou te julgando, sei bem como se sente e sei que não é bom, sei que mesmo parecendo tão forte, tu não passa de uma garotinha ingênua do tipo que se ilude até com um “oi”, que se olha no espelho e se acha gorda ou feia porque um idiota qualquer não soube dar o valor que tu merecia. Mas acredite em mim, tu é linda, do teu jeito mesmo, com teus defeitos e qualidades, mas tu é linda principalmente quando sorri, então não deixe que nada que venha de baixo mude a tua forma de lidar com o mundo. Deixa de lado esse medo que aos poucos toma conta de ti. Olha pra frente e coloca um sorriso no rosto. Acredite, você não tem ideia da diferença que um pouco de força de vontade pode fazer na tua vida. (inexistir)

domingo, 25 de dezembro de 2011

Ela não ta ligando pra mais nada, porque agora ela esta com quem ela sempre quis, com o único que sempre conseguiu mexer com ela de verdade. Com o coração dela, que nem sempre era conquistado. O unico que ri das piadas dela mais sem graças. Que a chama de idiota de uma maneira que a deixa mais apaixonada ainda. Que a olha de uma forma que parece que vai arrancar seus olhos, e a faz rir e ficar envergonhada, mas do que já é. E a olha com aquela cara como se ela fosse uma boneca. A boneca dele. A pequena dele. Dele. E ele se sentia na obrigação de cuidar da sua pequena. Ele a faz se sentir bem, com qualquer roupa ou qualquer sapato, com maquiagem ou sem maquiagem, com cara de sono ou não. Se desespera quando a vê mal, já acha que é por causa dele, e mesmo sem saber o que tinha acontecido ele pede desculpas milhões de vezes só pra não sentir aquela terrível sensação de perder o amor da sua vida, e logo tentava tirar um sorriso dela. Por que… ele é apaixonado pelo sorriso dela, da mesma forma que ela é pelo dele. E o maior medo deles era cada um se perder, pra alguém melhor… Mas eles sabem, que alguém melhor que eles mesmos não há. Eles juntos se completam, e se fosse outra pessoa no lugar de um deles, faltaria algo. Da pra ver, eles são únicos um para o outro. Se apaixonam a cada dia que passa. Mesmo com a maioria duvidando do amor deles, eles não ligam. Só pensam em ficar juntos. É um casal de dar inveja, mesmo com tantas e tantas brigas e ciúmes, todos dariam tudo pra ter uma relação linda como a deles. A única coisa que importa para os dois é terminar ali, de mãos dadas. Porque sabem que no fundo só conseguem ser felizes juntos. Um precisa do outro, pra tudo. 
Bruna Ferreira

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Louise Melody

” - Adeus”  foi assim que tudo terminou hoje, um dia que deveria ter sido igual os outros. Não, eu fui atormentada por um milhão de sentimentos, me faziam chorar, enquanto eu lembrava dos nossos dias de glória, me faziam planejar um novo caminho, uma nova história sem você, eu não conseguia doma-los, cada segundo parecia uma eternidade. Olhando pro nada, pensando em como seria ver a minha amiga dentro de um ônibus indo embora, pensando se ela ficaria bem, tanto quanto eu queria que ela estivesse, um lado meu era o mais egoísta possível e desejava que ela sentisse puramente só a minha falta e que não conseguisse encontrar alguém como eu rs, o outro lado só desejava que alguém cuidasse dela e fizesse ela achar alguém melhor que eu para cuidar dela, só queria ver seu bem. Como esquecer o inesquecível? Eu tenho marcas de tudo isso,  marcas das risadas, dos concelhos,  épocas que me fizeram crescer ao seu lado, retiradas do momento, relatadas pelas câmeras e expostas na parede do meu quarto. Estava sendo o dia mais difícil que já tivera passado, o dia de dizer adeus a quem eu menos queria, alguém que eu esperava ficar do meu lado sempre. Não vou poder estar do seu lado na hora de você ir embora, hora pela qual não queria que chegasse,  mais feche os olhos na hora e pense que eu estou junto a ti, te abraçando e rindo junto com você. ” - se cuida meu anjo, eu te amo demais, obrigada por tudo,  boa viagem, eu te amo.”  e assim mais uma vez meus olhos se encheram de lágrimas, as mais sinceras lágrimas, porque eu sei que a pessoa que você é vale mais que um milhão de lágrimas minhas. Eu não te abracei, não me despedi, não te vi ir embora, eu só imaginei, e isso me deixou vazia, mas é só uma fase, para crescermos e encontramos o nosso caminho sozinhas.  Olhe para trás, você vê o que eu vejo? Uma estrada que acabou de começar e tem o fim no infinito, vai ser bonito, vai ter altos e baixos, mas acima de tudo vai ser verdadeiro, nada acontece por acaso, eu só quero que você saiba que você cuidou de mim, quando eu não sabia o que fazer, você ergueu a minha cabeça e me fez enxergar além do que eu podia ver, você me mostrou a saída, me abraçou, curou todas as minhas dores, chorou todas as minhas lágrimas, enfim, você fez parte da minha história. Só quero que você saiba, que aqui, viva ou morta, eu sempre vou zelar-te e guardar-te em qualquer lugar desse mundo, desse universo, eu cuidarei de você, porque o mais difícil de explicar é o quanto eu te amo,  o quanto que mesmo por pouco tempo, você me fez tão bem. Hey, girl, you are so beautiful, you is a little girl, my little bad girl. He promised to take care of me forever , dont cry, you is  my angel, my luck star, part of my life. 


 

domingo, 18 de dezembro de 2011

Eu te queria por perto agora, só pra dizer-te o quanto és especial pra mim, o quanto me preocupo contigo, não sei bem o que fazer pra te fazer perceber todo esse meu sentimento, é algo tão forte, mais forte que eu. Eu queria os teus carinhos 24 horas por dia, o teu cheiro sempre grudado em mim. Talvez eu tenha criado expectativas demais e com isso as decepções tenham vindo mais rápido ainda. Eu queria poder arrancar sorrisos do teu belo rosto, mas aos poucos fui percebendo que isso é impossível. Eu bem que queria escrever a minha própria vida, como descrevo tudo que sinto por ti, queria poder apagar tudo que nos afastasse, mas não somos nós quem ditamos o que vai acontecer, algumas coisas acontecem por que tem que acontecer, ou só acontecem pra acabar com você. Eu não sei bem no que estais pensando agora, mas tenha total certeza de que estou a pensar em ti… Sempre. Maria Fernanda, loveinvegas

sábado, 17 de dezembro de 2011

Você foi feliz?

Ei, me responda. […] Mas não responda como sempre. Com apenas um aham, sim, rs rs e tudo mais. Me responda com toda sinceridade. […] Você é feliz? Ou pelo menos tentou? Você fez tudo o que queria fazer esse ano? Está satisfeita com sua vida hoje? Está bem com sua auto-estima? […] A resposta talvez seja não. Mas é normal. Olha em volta, veja onde vivemos. Não é fácil ser feliz, não é fácil se aceitar. São críticas nada construtivas indo e vindo. Pessoas saindo e quebrando promessas. Palavras valendo menos que um centavo. Não é fácil, sei que não é. Tem a distância, os problemas. Os medos e as incertezas. […] Mas para que ser perfeito? Me digas uma coisa. Não gostou em momento algum cair no chão e rir com alguém? Nunca gostou de abrir o sachê de ketchup e se sujar? Nunca se sentiu bem depois de errar? Nunca? Tem certeza? […] Nunca gostou de quebrar regras? De se sentir errada? De rir porque fez besteira? Nunca gostou de sair escondido? De fazer loucuras? […] Isso é ser melhor do que perfeito. Isso é ser original. ( tua-idiota ) 

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

E assim foi

Ela só queria que dessa vez houvesse realmente um ”bom dia”, e que realmente tudo fosse doce, e repetia mentalmente o ensinamento ”que seja doce, que seja doce”, ela estava disposta a sorrir, ela queria que tudo fosse doce, e que hoje realmente fosse um bom dia. E assim foi. 

(autor desconhecido)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Eu te perdoo, mesmo com o coração sangrando

Eu sei que todo mundo tem seus erros, seus defeitos, seu jeito de vê as coisas. Mas os seus, não são bem erros qualquer, que todo mundo comete e depois se arrepende, os seus, são diferentes é como se você tivesse todas as intenções de acertar, mas no instante seus pensamentos mudam, e lá está você errando. E eu? Fico desejando toda hora para que eu tenha forças para não te perdoar, o que chega a ser quase impossível, eu não consigo ficar sem você, mesmo que você faça a maior besteira do mundo, mas mesmo assim eu estou lá, do seu lado falando que tudo vai mudar, e que você vai mudar e vai aprender a não cometer o erro mais de uma vez. É, eu tenho esperanças que um dia isso aconteça meu bem! Mesmo que eu te ame, que eu perdoe qualquer coisa que você faça de errado, eu tenho coração e ele é frágil o bastante para sangrar todas as vezes que você vem me pedir perdão, como eu queria que isso não fosse sempre, como eu queria que você parasse com isso, como eu queria meu amor. {umfalsopoeta}

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

O que estaria por trás daquele sorriso? Tristeza camuflada? Vingança? Frieza? Talvez fosse apenas felicidade, simples e óbvia. Mas quem disse que ela era óbvia? Se nem Freud conseguiu dizer com exatidão, apenas revelou que era um continente obscuro. Como ela, que nada entendia de comportamento humano saberia indicar a saída do labirinto? Era como desvendar o sorriso de Monalisa.
Quantas habitavam sua mente, seus quereres e qual predominava?
Descobriu que as pessoas não mudam, ela não mudou. Continuava ciumenta, teimosa, encrenqueira e sabia ser doce, contar histórias, inventar personagens, mudar as lentes da realidade em busca do cenário do sonho.
Sabia quem era, mulher, mãe, amiga, amante, cigana e outras tantas. Sentia saudade do cheiro da verdade, daqueles que dizem o que pensam, mas principalmente daqueles que não fazem a menor idéia para onde estão indo, por não possuírem a arrogância dos que sabem tudo. Preferiu deixar suas gavetas internas bagunçadas, era assim que se achava (...)  
 
Renata Fagundes

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

E então pensei: por onde andas que não me procura mais? … Tu tem chorado muito ultimamente? E sorrisos, quantos verdadeiros saem por dia? Tem lembrado do passado, lá mesmo, naquela sua varanda esverdeada, e simplesmente lamentando? E aquela trilha sonora do filme, ainda faz sentido ou tá mais ou menos? Esqueceu o que te fiz de errado e ainda lembra o que tentei fazer perfeito? Hein? Tem parado de se iludir com o “Eu preciso de você” de pessoas insignificantes hoje? Jura pra mim que levanta pedindo dias melhores para pessoas que tu ama e antes de levantar usa a superstição do “pé direito é sorte”? Apesar, que nem eu acredito em coisas positivas ultimamente, então te perdoo, caso esse for o erro. Digo-lhe, espero que seus olhos estejam brilhando como sempre foi; tanto faz o brilho de estar secando lágrimas ou até então o brilho de estar enxergando futuro bom; Ah sim, espero suas respostas também. E lá no fundo eu suspiro: ”não demora, mas de qualquer jeito, eu faço força pra aguentar.”

domingo, 23 de outubro de 2011

“Quando eu não tinha motivo algum para acordar todas as manhãs, eu te encontrei. Com você eu recordei o que é ser feliz, sorrir por que realmente anseio e não para mascarar meus problemas. É como se você fosse meu Sol, você me salvou da escuridão da noite e passou a iluminar meu caminho. Só que isso me tornou dependente de você. Afinal, como uma pessoa pode viver sem o Sol? Me tornei ciumenta, mas não por que sou possessiva, mas por que o meu maior medo era te perder, e é horrível a sensação de que alguém pode lhe roubar seu bem mais precioso. Eu passei a te sufocar, nem eu mesma conseguia respirar com todo esse amor dentro de mim. Nós fomos acabando, mas o sentimento permaneceu aqui dentro de mim, cada vez maior. Até que um dia, só o que sentíamos deixou de ser suficiente. Quando você se foi, eu meio que regredi. Os sorrisos voltaram a ser falsos e a solidão e a dor passaram a me consumir novamente. Você é meu Sol, e você se foi. Afinal, como uma pessoa pode viver sem o Sol?’” — Cinthia Sat

sábado, 15 de outubro de 2011

“Então se você quer ficar longe, não faz meu coração disparar e nem minha respiração desregular. Fica longe, mas fica por completo. Não volte depois dizendo que sente minha falta e que eu sou tudo na sua vida. Porque você sabe bem o quanto isso mexe comigo. Fica longe e não volta de madrugada batendo na porta depois de uma farra e diz que nem todas as mulheres do mundo podem substituir o meu lugar. Você sabe que eu não consigo suportar essa tortura. Fica longe, mas fica de verdade. Não volte a atrás. Ou então volte, se quiser. Mas dessa vez, fique… Sem cometer os mesmos erros e sem me deixar de lado quando a brisa forte bater entre nossos sentimentos e deixar tudo entre a dúvida e a certeza. Fica do meu lado o suficiente para eu não sentir sua falta e para que a sua ausência não machuque tanto. Fica comigo quando você achar que eu não mereço o seu amor ou quando não se achar bom o suficiente. Fica do meu lado quando eu me irritar com sua voz ou quando você sentir ciúmes dos meus amigos e eu dos seus. Fica bem pertinho para o seu perfume grudar na minha roupa e para que eu possa gritar aos quatro ventos que você é o meu amor. Fica sempre junto, para que que eu possa ter fotos suas na minha agenda e meu mural seja cheias de fotos bobas nossas na sorveteria ou naquele clube que você ama ir. Mas fica. Nós dois sabemos que um sem outro as coisas não funcionam bem.(d♥s)

terça-feira, 20 de setembro de 2011



E enfim apaguei todos os registros guardados que tinha de ti. Seu cheiro, seu toque, seu sorriso, sua voz e sua risada que me serviam como canção de ninar. Fiquei alguns dias sem dormir, fiquei vários dias desejando não tê-los apagados da minha memória. Mas no final eu me acostumei. Me acostumei com a sua falta… Com seu silencio. No final, eu me acostumei com a sua ‘não existência’. Pois é como vivo hoje. Sem você.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Ei menino, o que aconteceu com nós dois? Aquele “pra sempre” tinha data de validade? Quando foi que eu deixei de ser importante pra você? Quando eu deixei de ser a tua “pirralha melhor amiga” pra virar alguém que você esperaria nem ter conhecido? Me diz, preciso dessas respostas. Pra eu poder seguir em frente, ou pelo menos tentar sem você. Lembra que muitas vezes eu disse que não existe eu sem você, que nós iamos ficar junto em qualquer parada? Então, esses pedaços que sobraram de mim estão sem rumo menino, cadê você pra me falar que tudo vai ficar bem? Cadê você pra cuidar de mim? Pra me chamar de pirralha, de chata, de mal humorada? Pra me deixar toda sem graça e vermelha? Sabe gigante, tô precisando daquelas piadas que só você sabia contar pra me deixar melhor, entende? O coração tá doendo, a alma também, e só você conseguiria me fazer ficar bem agora. Mas irônico ou não,  você faz parte do pouco dessa dor, e não tem como voltar a ser como era antes. E ah, sabe de mais uma coisa menino? Eu não lembrava de como era minha vida antes de você aparecer, (além de sem graça) e agora? Tô sendo obrigada a lembrar como era, obrigada a viver sem você, mesmo não querendo. Me traz de volta o pedaço que ficou com você, por favor? Pra eu ficar bem e essa ferida aberta parar de doer tanto, é isso que eu peço. Ou então, me traz o meu melhor amigo de volta, vai? 
(texto modificado ds)

terça-feira, 6 de setembro de 2011






Porque ela tinha o mundo nas mãos, mas o mundo dela. Lá fora nada fazia sentido. E mesmo que ela explicasse entrelinhas o que queria fazer ou dizer, ninguém entenderia. Ela tinha o coração apertado, enforcado. Ela maltratou-o. Tentou amenizar, tentou dizer que não doía. Não conseguiu enganar-se. Enganou só os demais. Só que por dentro era tudo quebrado, era tudo em falta. Faltava-se até o desespero, faltava palavras. Porque de silêncio ela inchava-se. Acabava-se. E deitava na cama no fim da tarde com todo o peito livre de qualquer acusação. Só por um dia. No outro chorava. Se auto-derramava pedras sobre o caminho. Ela mesma era um obstáculo. No próprio caminho, no caminho dos outros. E havia muito medo no meio do escuro do seu próprio pensamento, mas só ela sabia. Só ela sentia, porque se falasse, doía. (ds)

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

“Ela era a garota que não sentia nada, por baixo de toda a máscara de superioridade as lágrimas caíam. Como cachoeira. Ela não sabia o que doía, mas sabia que nada que fizesse poderia evitar tamanha frustração. Machucava. E ela só queria confiar em si mesma. Não conseguia mais. Havia se decepcionado muito com tamanha falta de preocupação de quem via. Ela chorava por dentro, e sangrava também. Ninguém sentia, ninguém olhava, ninguém perguntava. A verdade era que ninguém se interessava. Ela era forte por fora. Por fora da máscara de porcelana. Por dentro era tão menina que até temia a chuva. E, fora tudo o que doía, havia algo dentro dela que estava sufocando-a. Faltava algo. Sempre faltou. E, infelizmente, sempre faltará.Rafaela Marques (d♥s)

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Sabe a sensação de não saber em quem confiar? A sensação de querer desabafar, mas não saber com quem? A sensação de cansaço? A sensação de abandono de todos os sentidos, lados e de todos? A sensação de que você está perdendo todos a sua volta? A sensação de que ninguém se importa contigo? Pois bem, pega essas sensações e multiplica por mil, assim saberá um terço do que eu estou sentindo agora. (Pensamentos a Solta)

sábado, 6 de agosto de 2011

Só por ele


"Aquele um vai entrar um dia talvez por essa mesma porta, sem avisar. Diferente dessa gente toda vestida de preto, com cabelo arrepiadinho. Se quiser eu piro, e imagino ele de capa de gabardine, chapéu molhado, barba de dois dias, cigarro no canto da boca, bem noir. Mas isso é filme, ele não. Ele é de um jeito que ainda não sei, porque nem vi. Vai olhar direto para mim. Ele vai sentar na minha mesa, me olhar no olho, pegar na minha mão, encostar seu joelho quente na minha coxa fria e dizer: vem comigo. é por ele que eu venho aqui, boy, quase toda noite. Não por você, por outros como você. Pra ele, me guardo. Ria de mim, mas estou aqui parada, bêbada, pateta e ridícula, só porque no meio desse lixo todo procuro o verdadeiro amor."

(Autor Desconhecido)

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Arnaldo Jabour

“Sempre acho que namoro, casamento, romance… tem começo, meio e fim. Como tudo na vida.  Detesto quando escuto aquela conversa:
- Ah, terminei o namoro…
- Nossa, estavam juntos há tanto tempo…
- Cinco anos…. Que pena… Acabou…
- É… Não deu certo…
Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou. E o bom da vida, é que você pode ter vários amores. Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somamÀs vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro? E não temos essa coisa completa. Às vezes ela é fiel, mas é devagar na cama. Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel. Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador. Às vezes ela é muito bonita, mas não é sensível. Tudo junto, não vamos encontrar. Perceba qual o aspecto mais importante para você e invista nele. Pele é um bicho traiçoeiro. Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia. E às vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona. Acho que o beijo é importante, e se o beijo bate, se joga… Se não bate… mais um Martini, por favor… E vá dar uma volta. Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer. Não brigue, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvidas, problema dela, cabe a você esperar… ou não. Existe gente que precisa da ausência para querer a presençaO ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa realmente gostar, ela volta. Nada de drama. Que graça tem alguém do seu lado sob pressão? O legal é alguém que está com você, só por você. E vice-versa. Não fique com alguém por pena. Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado. E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento. Tem gente que pula de um romance para o outro. Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia? Gostar dói. Muitas vezes você vai sentir raiva, ciúmes, ódio, frustração… faz parte. Você convive com outro ser, um outro mundo, um outro universo. E nem sempre as coisas são como você gostaria que fosse. A pior coisa é gente que tem medo de se envolver. Se alguém vier com este papo, corra, afinal você não é terapeuta. Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível. Na vida e no amor, não temos garantias. Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem todo beijo é para romancear. E nem todo sexo bom é para descartar… ou se apaixonar… ou se culpar. Enfim…quem disse que ser adulto é fácil?”

sexta-feira, 22 de julho de 2011


“Mas eu não posso reclamar. É, não posso reclamar. Mas eu queria reclamar, conversar, entender, decidir. Ou então gritar, berrar, rugir, enlouquecer até você verbalizar uma improbabilidade tal como “garota, cala essa boca lotada de marimbondos e pequenas palavras mal escolhidas e vê se escuta isso: eu amo você demais”. Como fazem nas histórias da locadora que não temos paciência de assistir, porque no fim a gente fica sabendo que assim como amar, ser amado também é uma coisa que se aprende. E hoje, isso de amor é muito blá.

Cansei de caçar seus verbos soltos, escudos de quem acha que tem o gênio indomável sabendo que não passa de um daqueles que enguiçam a raça humana. Se quiser vir, que seja sem esse egoísmo tão “século-vinte-um” de trilhar caminhos pela metade, escapar pelos canteiros e me deixar falando pelos cantos. Se for pra calar minha boca, vem. Se for pra reescrever minha vida, vem. Mas que seja à caneta.”

Gabito Nunes